segunda-feira, 8 de outubro de 2012

"Amar é deixar ir."


Fim: O que termina; extremidade no tempo e no espaço. Pôr fim a, terminar, concluir.


"É, acabou. Com um sorriso no rosto e um aperto no peito, escrevo essas palavras. Uma semana se passou depois da frase que por segundos, achei que fosse mudar minha vida: "eu não quero terminar, mas temos que terminar". Me faltou ar, confesso. Devo ter esgotado as lágrimas e o vazio que senti foi como se um abismo tivesse sido aberto no meu peito. A noite foi fria e a sensação de saber que você não me pertencia mais, era realmente estranha. Era assustadora a ideia de dormir sem ver seu "boa noite" e acordar sem seu "bom dia". Achei que nunca fosse superar.

Alguns dias se passaram. Poucos, na verdade. Eu não sei explicar o que aconteceu mas acho que as lágrimas secaram. A vida voltou à sorrir pra mim e mesmo que muita coisa ainda esteja errada, eu voltei a ver cores no mundo. Toda aquela monotonia foi levada com o vento.

Eu não sei dizer se eu esqueci, se eu superei ou se eu simplesmente enfiei na cabeça que não ia ter volta e decidi seguir em frente. Mas você sabe, eu sou complicadíssima. Ah, e confusa! Relacionamentos sempre foram um problema pra mim, mas deixa eu te confessar uma coisa? Assim, bem baixinho? Eu gostei de você ter tomado minha liberdade. Eu sabia que esse sentimento não ia durar muito, mas de vez em quando é bom cortar as asas e se adaptar à uma gaiola. 

A verdade é que eu supero rápido demais e não é frieza não. Quem dera se fosse! Seria bem mais fácil viver sem sentimentos, principalmente quando a maioria são errados. É só que o tempo passa. Como diz Marcelo Camelo: Tudo passa! E você passou. Passou de um jeito muito bonito. Passou como alguém que eu amei sem limites e intensamente, que eu me entreguei sem pensar no depois e disse "eu te amo" sem medo. Mas finalmente, passou.

Algumas coisas ficaram, como por exemplo, as palavras lindas que você disse milhares de vezes, sua voz firme e reconfortante, seu sorriso bobo e seu jeito meio retardado de ser. Seus abraços apertados, a sensação de estar segura ao seu lado e o seu olhar apaixonado. Sua mão na minha, suas implicâncias sem fim e suas piadinhas bestas. Isso eu vou levar comigo, prometo. 

Mas eu tenho que dizer: amar é deixar ir. Não tem essa de "se for seu, volta". Viver da esperança é se torturar aos poucos. Deixe ir. Por mais que doa, por mais difícil que seja. O pra sempre só existe nos contos de fadas. Aqui, na vida real e cruel? Só existe o agora.

Eu te digo adeus. Sem lágrimas, mas com muita saudade. E quem sabe um dia a gente não se esbarra pelos caminhos tortuosos que a vida faz?"

(Jullyana B.)


6 comentários:

  1. que lindo, mas tem coisa que agente nunca abre a mão...

    http://aymgataborralheira.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se a "coisa" for boa, é até legal não abrir mão mesmo, mas se for ruim, o melhor que você faz é deixar ir!
      Beijos, volte sempre =)

      Excluir
  2. Ah, que texto lindooooooooooo! Descreveu meus sentimentos hoje.

    ResponderExcluir
  3. Falou tudo que estava sentindo mas não conseguia expressar... Lindo texto.

    ResponderExcluir